Shell Iniciativa Jovem

Henrique Drumond, da Insolar, participou do Shell Make the Future Detroit

29/05/2017

Com o objetivo de reunir ideias inovadoras no setor de energia, o Shell Make the Future Detroit aconteceu nos Estados Unidos, do dia 27 a 30 de abril e o Brasil marcou presença com Henrique Drumond, da Insolar. Em 2014, Henrique participou do Shell Iniciativa Jovem com seu projeto Insolar e ainda levou o prêmio de empreendimento de maior destaque daquele ano.

Hoje, três anos depois, ele vê o crescimento de seu negócio e comemora o impacto que o empreendimento tem gerado na vida de diversas pessoas. Seu objetivo é promover e democratizar a energia solar e gerar o máximo possível de impacto socioambiental positivo.

No evento, Henrique lançou seus ombrelones solares, produzidos em colaboração com moradores da comunidade Santa Marta, do Rio de Janeiro. Os ombrelones capturam a energia vinda do sol com OPV (Filmes Fotovoltaicos Orgânicos) e permitem que as pessoas carreguem seus celulares e outros dispositivos eletrônicos enquanto estão no parque ou na praia, por exemplo. Além disso, esses ombrelones - confeccionados em formatos de guarda-chuva - também oferecem proteção UVA e UVB e sombra para quem quiser se abrigar abaixo deles.

Recentemente, Henrique instalou painéis fotovoltaicos na comunidade Santa Marta. Esses painéis não só proporcionam energia a um preço acessível para famílias de baixa renda, como também beneficiam a sociedade, a economia e o meio ambiente.

O fundador da Insolar viu o potencial da comunidade ao constatar que ela recebe um total de 2.250 horas de sol por ano, tornando-se apropriada para receber os painéis. Essas placas fotovoltaicas fornecem energia para uma creche, que passa a poder ficar aberta até mais tarde, facilitando a vida dos pais que trabalham. Dessa maneira, é possível perceber que uma simples ação terá reflexo social e econômico para toda a geração do Santa Marta.

A participação dos moradores foi fundamental para a instalação dos painéis: estudantes ajudaram com a instalação elétrica, costureiras desenvolveram as embalagens, taxistas ajudaram com a logística e a creche funcionou como centro de produção.