Negócios

Retomada do Turismo: empreendedores da Rede falam sobre os desafios do setor em 2021

Por Shel Iniciativa Jovem em 04/10/2021

Mais de um ano e meio após o início da pandemia, o setor de Turismo, um dos mais afetados neste período, vem ganhando novo fôlego. Com o avanço da campanha de vacinação e a gradual reabertura de escolas e espaços de entretenimento, o ano de 2021 trouxe para o segmento a possibilidade de retomada e novos desafios. 

Um dos empreendimentos que vem fazendo a diferença neste recomeço é a Traveller XP, um marketplace de experiências culturais focadas no público afrodescendente de língua inglesa, com atuação nos estados do Rio de Janeiro e Bahia.

“Atualmente, nossos principais produtos são a criação de itinerários personalizados e viagens em grupo. Temos como diferencial uma rede de prestadores de serviços pretos para fortalecer o black money e já nascemos como um negócio digital. Além disso, trabalhamos com experiências culturais, ao invés dos tradicionais tours”, conta Raquel de Azevedo Vargas, criadora do empreendimento vencedor da Feira de Negócios do Shell Iniciativa Jovem em 2020.

Raquel de Azevedo Vargas, fundadora da Traveller XP, empreendimento vencedor da Feira de Negócios do IJ em 2020

Para a empreendedora carioca, o programa foi fundamental para a criação de um planejamento de atuação durante a pandemia. “Através das estratégias que traçamos no IJ, mudamos o público-alvo das nossas soluções e conseguimos superar o faturamento planejado no período. O principal benefício de participar da Rede é ter acesso a vários empreendimentos diferentes, todos dispostos a compartilhar seus conhecimentos ”, explica.

Nascida no Paraná e moradora do Rio de Janeiro, Gabriela de Oliveira Palma é outra empreendedora da Rede IJ que vem superando as adversidades da pandemia com a sua empresa, a Sou+Carioca. Selecionado pela edição de 2018 do programa, o empreendimento oferece caminhadas guiadas para moradores do Rio de Janeiro e turistas nacionais e internacionais.

“Hoje, reduzimos a capacidade de operação para apenas dez pessoas por tour, o que diminui e muito a nossa receita mensal, mas prezamos pela saúde da nossa equipe e dos nossos clientes. Durante a pandemia, também desenvolvemos os tours virtuais onde apresentamos lugares através de ferramentas de streaming e também um e-book com 50 lugares diferentes para conhecer no Rio de Janeiro. Essas duas ações nos ajudaram a chegar vivos e financeiramente saudáveis até o dia de hoje. Até o fim do ano, pretendemos aumentar o número de pessoas por tour de forma gradual”, revela.

Gabriela de Oliveira Palma, empreendedora da Sou+Carioca

Gabriela também destaca a importância da Rede para se atualizar sobre assuntos referentes ao mercado, como novas ferramentas para tomadas de decisão, e o contato com os negócios selados anteriormente. “Sempre que alguém precisa de algum produto ou serviço, verificamos dentro da rede se alguém já domina aquele assunto para que assim possamos nos apoiar como empreendedores”, frisa.

Criadora da Mask, empresa que atua no segmento do turismo pedagógico, Marina Mascarenhas viu seu negócio ser duplamente afetado durante a pandemia, considerando que as atividades turísticas e escolares foram totalmente interrompidas por um longo período.

“Por atuarmos exclusivamente com escolas, tivemos todos os roteiros previstos para 2020 cancelados. A Mask ficou de março de 2020 a julho de 2021 completamente sem entradas e sem operação e só sobreviveu por meio do aporte financeiro de reservas pessoais, que sustentou os custos fixos e uma funcionária registrada”, conta a empreendedora, que nasceu em Campinas mas há 11 anos vive no Rio de Janeiro.

A partir de agosto deste ano, a Mask retomou suas atividades por meio de pequenas demandas de viagens escolares. Além disso, a empresa também assumiu a operação do setor educativo na Fazenda Urbana BeGreen, que tem gerado demanda de trabalho para a equipe e acelerado o processo de expansão da Mask para outros estados. 

Marina Mascarenhas, fundadora da Mask

“Com a retomada do turismo, o nosso volume de visitantes na BeGreen tem crescido semana a semana. Diante da demanda reprimida desde 2020, prevejo um aumento significativo para o próximo ano, como tem sido previsto para todo o setor do turismo no Brasil e no mundo”, relata.

Participante do IJ em 2014, Marina segue conectada com a nossa rede, oferecendo e recebendo apoio de pessoas e amigos que fez no programa. “Ser parte da Rede me inspira, me motiva e me traz a sensação de não estar só. Acho que o principal benefício, após alguns anos, é essa troca e apoio, além das possibilidades de parcerias prósperas”, finaliza.